URGENTE: SEC Acaba de se Posicionar Sobre Bitcoin e Ether

A Securities and Exchange Commission (SEC) acaba de se posicionar sobre o bitcoin e o ether, e finalmente responde uma das maiores questões nesse universo.

Nesta quinta (14), em um anúncio oficial durante o evento All Market Summit: Crypto, em São Francisco, o diretor de Finanças Corporativas da SEC, William Hinman, disse que a comissão não classificará o bitcoin ou o ether como títulos.

Essa notícia é excelente, já que tira a incerteza de que o Ethereum (ETH) possivelmente poderia ter uma séria restrição regulatória da SEC e CFTC (como está sendo imposta para as ICOs), o que causaria um forte rebuliço no mercado.

A política da comissão está de acordo com o que o Presidente da SEC, Jay Clayton, afirmou recentemente sobre o bitcoin: as criptomoedas não são títulos e a definição de “título” não seria alterada para poder incluir as moedas digitais bitcoin e ether. Clayton afirmou também que tokens digitais são títulos, mas que criptomoedas não.

O anúncio de Hinman define a posição oficial da SEC sobre o assunto: a nomenclatura não é importante. Os principais fatores decisivos são como eles são negociados, prometidos e se comportam.

“A SEC não irá mudar as regras dos ativos digitais ou criptomoedas, e sim aplicá-las”, disse Hinman. Previamente, o bitcoin e o ether podem ter sido oferecidos como títulos (como ações de uma empresa), o que teria requerido um registro perante à SEC, mas houve consenso de que as moedas digitais se comportam e são tratadas como commodities, como o ouro ou o petróleo.

“Um ativo digital originalmente vendido em uma oferta de títulos poderia ser vendido como algo diferente de um título?”, Hinman perguntou. “E quanto aos casos em que não existe mais uma empresa (envolvida)? Eu acredito que nesses casos, a resposta é um qualificado sim.”

Ele disse, “a forma é desconsiderada pela substância”, aos olhos da SEC. A realidade econômica é mais importante do que como algo é rotulado, concluiu.

Se a rede de uma criptomoeda é suficientemente descentralizada e compradores não precisam mais da intermediação e administração de um terceiro, uma moeda não é um título, adicionou Hinman.

Assim como rotular uma oportunidade de investimento como uma “moeda” ou um “token” não a torna algo como não sendo um título, afirmou.

Funcionários da CFTC (Commodities and Futures Trading Comission) já haviam solicitado um posicionamento da SEC sobre o ether, e as duas agências debateram como as criptomoedas estavam sendo inicialmente ofertadas no mercado.

Se a SEC tivesse considerado o bitcoin ou o ether como títulos, o mercado de criptomoedas teria, provavelmente, presenciado um frenesi de venda das moedas virtuais, diante da incerteza de como a regulamentação seria aplicada às corretoras, proprietários e mercados.

Você pode acessar o vídeo na íntegra: Clique Aqui

Fonte: Cryptoradar

Cansados das altas comissões das corretoras, criamos o Clube Bitcoin, a primeira Exchange Brasileira isenta de taxas comissionais, possibilitando que você alcance o máximo. Conheça o projeto e faça as contas!

Google Trends: Bitcoin em suas horas mais escuras ainda mais popular do que Beyonce.

As buscas do Google por Bitcoin declinaram 75% por cento em 2018, mas a criptografia líder ainda está superando a famosa pop star Beyonce no Google Trends, informou a CNBC na terça-feira, 12 de junho.

Brian Kelly, analista de Bitcoin, disse à revista Futures Now, da CNBC, que somente durante a apresentação do festival de música Coachella em abril, a megastar eclipsou brevemente Bitcoin (BTC) em termos de popularidade na busca na Internet este ano.

Popularidade dos termos de pesquisa “Beyonce” e “Bitcoin”.

trends

Popularidade dos termos de pesquisa “Beyonce” e “Bitcoin”. Fonte: Google Trends

Kelly analisou mais amplamente os mercados de criptografia indiscutivelmente pessimistas de junho, destacando alguns níveis-chave a serem observados no desempenho de preço do Bitcoin a curto prazo:

“O que eu estou realmente procurando é algum tipo de movimento, um salto de US $ 6.500. Nós realmente não temos o volume e não há muitos catalisadores que eu possa ver chegando a muito curto prazo … se eu tivesse que procurar outro nível como trader de curto prazo, eu olharia para o nível de US $ 6.800, que atuou como resistência no fim de semana. Nós vimos um pulo acima disso e agora nós quebramos. ”

De acordo com os cálculos de Kelly, o nível de US $ 6.500 atua como um nível fundamental de suporte à rentabilidade da mineração. Isso pressupõe que os mineradores de Bitcoin precisem atualizar seu hardware quase a cada 18 meses, elevando os custos da mineração para algo entre US $ 5.900 e US $ 6.000.

“Em um prazo muito curto”, acrescentou Kelly, “US $ 6.800 parecem um pivô para mim”. “Nesse mercado, como um operador de curto prazo”, ele disse, “eu prefiro estar comprando esse momento em um break-through em US $ 6.800.

Mesmo antes da recente queda dos mercados, Nick Colas, analista do pro-BTC Wall St, levantou preocupações sobre sinais de interesse pela criptomoeda terem reduzido, disse em uma entrevista à CNBC no início de maio. Ele apontou indicadores fracos de interesse público, incluindo menos buscas Bitcoin no Google e baixo crescimento de cripto-carteira. Colas não comentou uma comparação cruzada com Beyoncé.

Também em maio, um novo relatório sobre o estado atual da adoção global de criptomoedas sugeriu que “a maioria dos primeiros usuários de criptografia já está a bordo”. A pesquisa indicou que, em média, apenas 4% das pessoas que compraram criptomoedas já não tinha intenção de investir nos próximos 6 meses.

No momento desta publicação, o Bitcoin está sendo negociado em torno de US $ 6.296, trazendo suas perdas mensais para perto de 27%. O volume negociado de 24 horas do BTC está em US $ 5 bilhões, abaixo dos US $ 7,4 bilhões do mês anterior.

Fonte: Cointelegraph
Tradução Livre

Cansados das altas comissões das corretoras, criamos o Clube Bitcoin, a primeira Exchange Brasileira isenta de taxas comissionais, possibilitando que você alcance o máximo. Conheça o projeto e faça as contas!

O que são Airdrops? E como funcionam?

Você já jogou algum Battle Royale? como por exemplo PUBG ou Fortnite ou então qualquer jogo que tem aquela caixa com paraquedas? Então, ao chegar na caixa você encontra suplementos de todos os tipos!

A ideia do Airdrops para o caso de Criptomoedas é a mesma, mas ao invés de receber remédios, comida ou qualquer outra coisa do gênero, você recebe moedas digitais.

Explicando melhor:

Por exemplo o ICO do Clube Bitcoin gera um link para que você compartilhe com seus amigos! Cada cadastro feito com seu link, te dará moedas!

Mas calma, a bonificação é somente por indicação direta, não se estende para outros níveis!

Mas porque o Clube Bitcoin decidiu fazer o Airdrop?

No White Paper do projeto é previsto que 19% das moedas seriam usados para Marketing. Com intuito de não deixar essas moedas nas mão de grandes players na área de publicidade, decidimos então fazer um Airdrop para que essas criptomoedas ficassem com a comunidade.

E qual é a bonificação do Airdrop?

Se outro usuário se cadastrar no nosso site utilizando o seu link (o link pode estar em um blog, vídeo, texto ou qualquer outro lugar), ambos ganharão 100 CBTX.

Adicionalmente, se esse mesmo usuário, que usou seu link para se cadastrar, adquirir nossos tokens CBTX, você receberá, em tokens, 10% de bônus como recompensa pela indicação.

Lembrando que isso se estende somente para o primeiro nível, ou seja, somente para a pessoa que você recomendou.

Cansados das altas comissões das corretoras, criamos o Clube Bitcoin, a primeira Exchange Brasileira isenta de taxas comissionais, possibilitando que você alcance o máximo. Conheça o projeto e faça as contas!

 

Legisladores americanos querem tornar Nova York a ‘capital’ das criptomoedas.

O deputado nova-iorquino Ron Kim quer usar as criptomoedas para ajudar as comunidades locais.

A lei A11018, se aprovada, emendaria o ato de corporação de desenvolvimento urbano de Nova York para lançar 10 programas pilotos criando moedas comunitárias locais, que poderiam ser moedas criptografadas ou outras formas de formas digitais alternativas de dinheiro, de acordo com documentos públicos. Espera-se que os programas encorajem os residentes de uma determinada comunidade a gastar localmente, apoiando assim os ecossistemas do seu bairro.

Menciona especificamente o uso da tecnologia blockchain para “permitir que implementemos isso sem problemas, permitindo que consumidores, cidadãos e empresários negociem dentro e fora de dólares para [criptomoedas] instantaneamente”, acrescentando que isso teria um “impacto social significativo de longo prazo”. ”

O projeto de lei observa que a criação de um projeto como esse para o uso local de criptomoedas pode combater as “percepções indevidamente negativas” em relação ao espaço, acrescentando que “cada vez mais membros da geração mais nova estão familiarizados com o uso da tecnologia blockchain”.

Continuou:

“Ao dar nova missão e propósito a essa forma de moeda, estamos capacitando as pessoas a se apropriarem do crescimento local. Ao trocar seus dólares por uma moeda comunitária local, seja na forma de moeda digital ou criptomoeda, as pessoas manterão seu dinheiro em seus bairros, pagando impostos e também ganhando recompensas tangíveis por ação cívica positiva “.

Em um comunicado, Kim disse que “as moedas comunitárias são o próximo passo na promoção do crescimento econômico regional e da participação cívica local”, acrescentando que “cada dólar gasto em uma loja para mães e adolescentes estimula o crescimento do emprego local”.

Fonte: Coindesk
Tradução Livre

Cansados das altas comissões das corretoras, criamos o Clube Bitcoin, a primeira Exchange Brasileira isenta de taxas comissionais, possibilitando que você alcance o máximo. Conheça o projeto e faça as contas!

Mastercard estaria testando o uso da Blockchain para melhorar a segurança.

Um novo pedido de patente da Mastercard sugere que a gigante dos pagamentos está de olho no blockchain como parte de uma maneira de verificar a autenticidade dos cupons de consumo.

O pedido de um “Método e Sistema para Autenticação de Cupons via Blockchain” foi publicado em 31 de maio pelo US Patent and Trademark Office (USPTO). Ele prevê a utilização da tecnologia “especificamente [para] o armazenamento de dados de cupom em uma blockchain para garantir o resgate apenas por indivíduos autorizados e a imutabilidade dos dados de cupom”.

A idéia é que blockchain pode ajudar a reduzir o risco de manipulação de dados que acompanha o uso de certos tipos de sistemas para armazenar dados de cupons, incluindo aqueles que “foram desenvolvidos para associar diretamente um cupom a uma conta de transação, para garantir que apenas os especificados da conta de transação sejam elegíveis para resgatar o cupom. ”

“No entanto, isso requer que a entidade armazene dados referentes a cupons associados a contas de transações, que podem ser intensivos em recursos e sujeitos à manipulação de dados. Além disso, a entidade deve oferecer uma interface adequada para os consumidores acessarem o armazenamento de dados. identificar quais cupons foram associados à sua conta de transação. “

“Assim, há uma necessidade de uma solução tecnológica em que cupons possam ser emitidos para um indivíduo para resgate apenas pelo indivíduo, e onde o sistema dependa de uma fonte de dados publicamente acessível para permitir a implementação sem o uso de recursos adicionais para a entidade emissora “, observou a empresa.

Se uma oferta de serviço real sai do pedido de patente continua a ser visto – e a Mastercard em si não é estranho para lances de propriedade intelectual relacionados com a tecnologia. Esse foco na autenticação foi visto em outros pedidos de patente, incluindo um voltado para a prevenção do uso de identidade falsa.

O que se sabe, no entanto, é que a Mastercard mudou nos últimos meses para reforçar seus recursos internos de desenvolvimento relacionados ao blockchain como parte de um jogo tecnológico mais amplo.

“Estamos conduzindo projetos que promovem a inclusão financeira no país e no exterior e estamos trabalhando para fornecer aos consumidores, empresas e governos as formas mais inovadoras e seguras de pagar”, disse em abril a Sonya Geelon, gerente nacional da Mastercard Irlanda.

Fonte: Coindesk
Tradução Livre

Cansados das altas comissões das corretoras, criamos o Clube Bitcoin, a primeira Exchange Brasileira isenta de taxas comissionais, possibilitando que você alcance o máximo. Conheça o projeto e faça as contas!

 

Hospital Escocês lança tratamento para viciados em trading de Bitcoin

Um hospital na Escócia, próximo à cidade de Edimburgo, é pioneiro no tratamento para viciados em trading de criptomoedas.

O Hospital Castle Craig introduziu um curso de tratamento residencial para pessoas que sofrem com as questões subjacentes ao vício da negociação, a fim de poderem sair do mercado de criptomoedas completamente, se quiserem.

Viciados em negociações de criptomoedas podem encontrar ajuda na Escócia

O comércio de moedas virtuais pode induzir o vício comportamental da mesma forma que o jogo online, de acordo com especialistas que ajudaram a criar o primeiro curso para tratar o problema usando técnicas encontradas em programas de vício em jogos de azar.

‘Traders’ de criptomoedas podem se tornar obsessivos a ponto de seguir as flutuações minuto a minuto nos preços. Chris Burn, um terapeuta do Hospital Castle Craig, encontra muitas semelhanças entre o jogo e o mundo do comércio de criptomoedas.

“O mercado de criptomoedas flutuante e de alto risco apela para o problema do jogador. Ele fornece excitação e uma fuga da realidade. O Bitcoin, por exemplo, tem sido fortemente negociado e enormes ganhos e perdas foram feitos.

O terapeuta Tony Marini, ex-viciado em apostas e cocaína, vai liderar alguns dos tratamentos no centro de reabilitação para ajudar a introduzir uma estrutura de vida para os dependentes.

“Tendo passado por isso sozinho, minha experiência de dependência me dá discernimento e empatia em relação aos outros que têm o mesmo problema. Eu vejo o comércio de criptomoedas como uma forma de as pessoas escaparem de si mesmas, para outro mundo, porque não gostam do mundo em que estão. O primeiro estágio do tratamento é se juntar a outros adictos em terapia de grupo e compartilhar suas histórias de vida. Isso os ajuda a se identificar e perceber que não estão sozinhos. ”

Não se sabe quantas pessoas no mundo comercializam criptomoedas e quantas delas são comercializadas até o ponto de serem consideradas dependentes. Negociações de alto risco geralmente dão um pontapé e corrimento, especialmente para pessoas com uma tendência psicológica inata à compulsão e ao vício. O nucleus accumbens é o centro de prazer do cérebro humano e também responde à emoção do comércio.

Fonte: Newsbtc

Tradução Livre

Cansados das altas comissões das corretoras, criamos o Clube Bitcoin, a primeira Exchange Brasileira isenta de taxas comissionais, possibilitando que você alcance o máximo. Conheça o projeto e faça as contas!

O Banco digital alternativo ‘Revolut App’ agora suporta XRP, Bitcoin Cash como Opções de criptomoedas.

O aplicativo Revolut agora permite que os usuários comprem, vendam e armazenem o XRP – Ripple e o Bitcoin Cash.

Após a adição de Litecoin e Ethereum em dezembro de 2017, e Bitcoin em julho passado, a empresa diz em um post que “após meses de debate e trabalho duro”, os usuários podem trocar qualquer uma das 25 moedas fiduciárias por uma das cinco opções de criptomoedas.

No post, a Revolut explicou o motivo para escolher XRP e BCH em particular, dizendo que eles eram as “duas criptomoedas mais populares que nossa comunidade queria”. No entanto, permanece aberto para adicionar mais opções no futuro se os usuários fizerem “barulho” suficiente.

A Revolut também está permitindo que os usuários usem as criptomoedas para recarregar seus cartões de débito com criptomoedas, dizendo: “Vamos simplesmente deduzir o valor fiduciário de sua cryptocurrency usando a taxa de câmbio real no momento em que você paga com seu cartão Revolut”.

De acordo com outro post no blog da empresa, para as compras de criptomoedas, a Revolut cobra uma taxa de 1,5% sobre o “preço médio de câmbio”, que é obtido usando os preços em tempo real de suas bolsas de parceiros. Além disso, os usuários podem enviar criptomoedas para outros usuários usando a opção de pagamento, a empresa diz que eles não podem transferi-los diretamente para dentro ou fora do aplicativo devido a “regulamentação estrita”.

A iniciativa do provedor de aplicativos baseado no Reino Unido de oferecer serviços de criptomoeda surgiu após a conclusão de uma rodada de financiamento da Série B de US $ 66 milhões no verão passado. A Index Ventures, investidora das startups de criptografia BitPay e Xapo, assim como a Balderton Capital e a Ribbit Capital, participaram da rodada.

Fonte: Coindesk

Tradução Livre

Cansados das altas comissões das corretoras, criamos o Clube Bitcoin, a primeira Exchange Brasileira isenta de taxas comissionais, possibilitando que você alcance o máximo. Conheça o projeto e faça as contas!