O que é o Lightning Network?

shutterstock_792061711Aclamada como uma das soluções mais potentes para o escalonamento de criptomoedas, atualmente em desenvolvimento, a Lightning Network efetivamente cria uma camada em cima do bitcoin, permitindo transações rápidas e baratas que podem ser depositadas na blockchain do bitcoin.

Proposta por Thaddeus Dryja e Joseph Poon em um white paper de 2015, a ideia é baseada em uma rede que fica no topo da blockchain do bitcoin e, eventualmente, se instala nela. A rede é composta de canais gerados pelo usuário que enviam pagamentos de forma segura e sem confiança (sem confiança significa que você não precisa confiar nem conhecer sua contraparte).

Digamos, por exemplo, que eu queira pagar por cada minuto de vídeo que assisti. Abríamos um canal na rede Lightning e, à medida que os minutos passam, pagamentos periódicos são feitos da minha carteira para a sua. Quando eu terminar de assistir, fecharíamos o canal para liquidar a quantia líquida no blockchain do bitcoin.

Como as transações são apenas entre você e eu e não precisam ser transmitidas para toda a rede, elas são quase instantâneas. E como não há mineradores que precisem de incentivo, as taxas de transação são baixas ou mesmo inexistentes.

Como funciona?

Primeiro, duas partes que desejam realizar transações entre si configuram uma carteira multisig (que requer mais de uma assinatura para promulgar uma transação). Esta carteira contém uma certa quantidade de bitcoin. O endereço da carteira é então salvo no blockchain do bitcoin. Isso configura o canal de pagamento.

As duas partes podem agora realizar um número ilimitado de transações sem nunca tocar nas informações armazenadas no blockchain. Com cada transação, ambas as partes assinam um balanço atualizado para sempre refletir quanto do bitcoin armazenado na carteira pertence a cada uma.

Quando as duas partes fazem as transações, fecham o canal e o saldo resultante é registrado no blockchain. No caso de uma disputa, ambas as partes podem usar o balanço assinado mais recentemente para recuperar sua parte da carteira.

É útil observar que não é necessário configurar um canal direto para transacionar em um “Lightning”. Você pode enviar pagamentos para alguém por meio de canais com as pessoas com as quais está conectado. A rede encontra automaticamente o caminho mais curto.

O desenvolvimento da tecnologia obteve um impulso significativo com a adoção do SegWit nas redes bitcoin e litecoin. Sem a correção de maleabilidade da transação do upgrade, as transações na Lightning Network teriam sido muito arriscadas para serem práticas.

Sem a segurança do blockchain por trás dele, a Lightning Network não será tão segura, o que implica que ela será largamente usada para transações pequenas ou mesmo micro que carregam um risco menor. Transferências maiores que exigem segurança descentralizada são mais prováveis ​​de serem feitas na camada original.

Onde estamos agora?

Embora tenha sido originalmente projetada para bitcoin, a tecnologia está sendo desenvolvida para uma série de criptomoedas, como litecoin, stellar, zcash, ether e ripple. A Litecoin planeja lançar sua versão ao mesmo tempo que a bitcoin.

Em dezembro de 2017, as startups por trás das três implementações de “Lightning” mais ativas (ACINQ, Blockstream e Lightning Labs) revelaram resultados de testes, incluindo transações ao vivo, provando que seu software agora é interoperável.

Além disso, a versão 1 das especificações do “Lightning”, que estabelecem as regras da rede, foi publicada. Isso incentivará o desenvolvimento de outras implementações e aplicativos.

No entanto, a rede ainda não está pronta para o lançamento. Engenheiros ainda não lançaram software com o qual usuários reais podem fazer transações. As aplicações que suportam o “Lightning” como método de pagamento já estão surgindo, mas até agora não são fáceis de usar.

Isso não impediu que alguns dos que trabalham em projetos testassem transações da “Lightning Network” do  bitcoin. Os desenvolvedores do Lightning, no entanto, desencorajam isso – não só ele age como uma distração para os desenvolvedores, mas também coloca os fundos dos usuários em risco.

Dada a complexidade do código e a necessidade de testes rigorosos (afinal, estamos falando de pagamentos), os desenvolvedores estão pedindo paciência. Além disso, os “Lightning” não podem ser implementados em escala até que o SegWit seja mais amplamente estendido – assim, enquanto alguns acreditam que há suporte suficiente do SegWit para rodar a rede na mainnet agora, outros prevêem que uma rede utilizável de Lightning está, pelo menos, a um ano distante de acontecer.

Em março de 2018, a startup californiana Lightning Labs anunciou o lançamento de uma versão beta de seu software, disponibilizando o que os investidores e líderes de projeto dizem ser a primeira versão totalmente testada da tecnologia até o momento. Ainda é cedo, no entanto – o tamanho das transações é limitado, e o lançamento é destinado a desenvolvedores e “usuários avançados”.

Texto extraído de http://www.coindesk.com – Tradução livre

Fiquem de olho no site do Clube Bitcoin , traremos grandes novidades em breve!